Lorena ganha área na região central para criação da “Praça dos Três Poderes”

Investimento em novos prédios públicos é aposta na qualificação dos atendimentos aproximados entre Executivo, Legislativo e Judiciário

Área doada, que pode contar com a construção de novas sedes para a Prefeitura, Câmara e Vara do Trabalho (Foto: Gabriel Mota)

a

Lorena fechou o ano de 2021 com o recebimento de uma área doada no Centro, que deve receber a “Praça dos Três Poderes”. O projeto, encabeçado pelo presidente do Legislativo, Fábio Longuinho (PSD), promete unir os atendimentos da Câmara, Prefeitura e Vara do Trabalho. Ainda sem definição de investimentos, o parlamentar acredita que a construção das novas sedes possa ser iniciada até 2023.

Após aprovação dos vereadores, na última sessão de 2021, Longuinho aguarda a sanção do prefeito Sylvio Ballerini (PSDB) para seguir com os trâmites burocráticos. As empresárias Marietta e Alexandra Bartelega doaram uma área próximo a nova unidade do colégio Sesi (também doada pela família) de dez mil metros quadrados. A divisão dos espaços deve ser feita pela Prefeitura ainda neste ano.

Segundo Longuinho, devem ser destinados cinco mil metros quadrados para a possível construção de um novo prédio para o Executivo, três mil metros quadrados para a nova sede da Câmara e dois mil metros quadrados para a Vara do Trabalho.

O presidente, que acredita no avanço do município com uma área administrativa, frisou que “já estava fazendo as previsões nas leis orçamentárias” do projeto de construção da Câmara. “Vamos programar o projeto de construção da Câmara Municipal e estamos vendo junto ao prefeito a melhor forma de construir, se será a própria Câmara ou se o Município construirá” explicou o vereador, destacando a possibilidade do investimento das obras ser retirado mensalmente de parte do duodécimo, como uma amortização.

Após visitas a outros prédios públicos da região, Longuinho acredita que o nova Câmara de Lorena deve ser semelhante às sedes dos legislativos de São José dos Campos e Pindamonhangaba. As expectativas são de que o processo licitatório seja realizado neste ano e o início das obras no primeiro semestre de 2023.

Já a Vara do Trabalho deve ser de responsabilidade da Justiça Federal pela 15ª região.

A equipe de reportagem entrou em contato com a Prefeitura para detalhar o projeto, mas as respostas como a sanção da lei não foram enviadas até o fechamento desta matéria.

Por Rafaela Lourenço | Jornal Atos

Deixe um comentário