‘Não tenho dinheiro, quem quiser receber pode buscar seus direitos no Ministério Público’, diz Laurindo Garcez a professores de Queluz

Na manhã de hoje (07) os professores de Queluz, realizaram uma manifestação em frente à prefeitura, em busca de informação da parte do prefeito Laurindo Garcez sobre o pagamento do abono salarial.

Dizendo em voz alta ‘o abono é nosso’ os professores deixaram bem claro a indignação com a atual administração, que aos poucos está mostrando o desmoronamento e a falta de respeito com os munícipes.

Diante dos fatos os professores decidiram pressionar o prefeito já que seis dos nove vereadores apoiam as decisões e atitudes tomadas por Garcez a frente do executivo municipal.

No período da tarde, depois de muita conversa o prefeito Laurindo, tomou a decisão de entender os professores, mas deixando bem claro aos presentes que não tem dinheiro para pagar o abano salarial.

“Laurindo foi de uma petulância quando nos atendeu, deixando claro que quem quiser receber pode buscar seus direitos no Ministério Público. Parece que estamos ali pedindo ‘esmola’ para o prefeito, já que o abano é nosso direito, trabalhamos por isso. Não estamos pedindo nada mais do que é nosso por direito, isso ele não esta entendo, ou simula não entender’, diz uma servidora.

O benefício é direito dos funcionários da educação, diante da verba do Fundeb. Os gestores que não fizerem o pagamento até dia 31 de dezembro poderão sofrer penalidades.

Penalidades está que o prefeito não está se importando, pois relata que não tem verba para pagar o abono salarial dos professores.

“Todo ano o município recebe a verba do Fundeb, mas disseram que não iremos receber o abono salarial, mas é nosso direito, outros municípios já pagaram, somente aqui que não” comentou um servidor indignado com a atual situação.

Uma empresa de contabilidade contratada pela prefeitura de Queluz emitiu um documento dando ênfase na fala do prefeito Laurindo Garcez, mas para os pais e mães de família que trabalha e precisa do seu salário esse documento não tem validade.

“Para nós esse documento não tem validade, pois quem trabalhou fomos nós e precisamos receber, pagar nossas contas, e ter um final de ano e inicio de ano mais tranquilo com nossa família. Estão brincando e desrespeitando nossos direitos como servidores. Será que o prefeito irá vestir de Papai Noel e nos trazer o que nossos filhos estão esperando nesse Natal”, finaliza uma professora.

Segue o documento:

Por Sebastião Ferraz | A Gazeta RM

Deixe um comentário