Justiça pede a operadoras histórico de chamadas e mensagens de motorista de app morto em Tremembé

Foto: Arquivo pessoal

A Justiça pediu às operadoras Vivo e Oi o histórico de chamadas e mensagens do celular do motorista de aplicativo Márcio Gatti, morto a facadas em Tremembé (SP). O crime ocorreu em fevereiro.

Márcio chegou a pedir socorro a uma amiga por telefone, mas a ligação caiu. O pedido foi feito em 28 de outubro, mas até a publicação da reportagem não houve resposta de nenhuma das empresas.

Quatro dos cinco acusados pelo crime estão presos preventivamente. Um deles, acusado de destruir o veículo, conseguiu o direito de responder em liberdade. Os outros quatro presos são suspeitos diretos de envolvimento na morte de Gatti. A suspeita é que o crime tenha motivação passional. Uma nova audiência do caso está marcada para o dia 15.

Márcio foi encontrado morto a facadas em um lago no bairro Maracaibo, em Tremembé, em no dia 5 de fevereiro. Ele estava desaparecido depois de ter saído para uma corrida por aplicativo.

Após serem presos pela polícia, em depoimento os quatro homens contaram que receberam R$ 1,5 mil para atrair o motorista para uma emboscada e matá-lo.

Os suspeitos alegaram que o mandante havia encomendado o homicídio depois de descobrir que Márcio teria tido um caso com sua esposa. O homem apontado por eles como mandante se entregou à polícia após o depoimento deles.
Márcio era divorciado e deixou um filho, de 13 anos, e três filhas, de 10, 15 e 20 anos.

Deixe um comentário