Alavancados pela indústria, Pinda, Cruzeiro, Guará e Lorena têm saldo positivo na geração de emprego

Na contramão, Aparecida e Ubatuba apresentam as piores marcas registradas no acumulado do ano

Cartaz indica vaga para contratação de mulheres no comércio de Guará; setor puxou crescimento da geração de emprego (Foto: Divulgação PMC)

O Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) atualizou seu banco de dados referente ao acumulado dos meses deste ano. Na subtração entre contratações por carteira assinada e demissões registradas, Pindamonhangaba lidera a lista de municípios da região com o melhor índice local e um dos principais em todo o estado de São Paulo. Na contramão, Aparecida e Ubatuba aparecem na parte debaixo da planilha com mais demissões do que admissões.

Em toda a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, Pindamonhangaba fica atrás de São José dos Campos, Taubaté e Jacareí, com 6.963, 2.947 e 2.667 empregos gerados, respectivamente. O saldo de Pindamonhangaba é de 1.522 vagas abertas, que dá ao município a posição de número 64 dentre todas as cidades do estado. O setor que alavancou a crescente da cidade foi a indústria, responsável por quase três mil admissões e um saldo de 958 vagas abertas. Em contrapartida, a construção fechou mais postos de trabalho do que abriu, 294.

Não muito atrás, aparecem as cidades de Cruzeiro, Lorena e Guaratinguetá, com 1.180, 904 e 604 vagas abertas, no acumulado de janeiro a setembro deste ano. Em Cruzeiro, o setor que puxou a geração de empregos também foi a indústria, que teve saldo positivo de 923 vagas abertas, assim como Lorena, puxada pelo mesmo setor com saldo positivo em 512. Guaratinguetá foi alavancada com saldos positivos na indústria e serviços, com 322 e 294.

Saldo negativo – Aparecida é uma das últimas colocadas na lista, que tem mais de 630 municípios. A cidade tem ao todo um déficit de 91 vagas fechadas, na comparação com as que foram abertas. O setor que mais demitiu foi o comércio. Ubatuba tem 157 postos fechados, puxados pela área de serviços, a que mais fechou vagas.
“O que oferece emprego, mão de obra, é o comércio ativo. Nós tivemos mais de 80% de desempregados em Aparecida, porque todos trabalham em hotéis, lojas, bancas. Nós não temos empresa, temos que aprender a conviver com a realidade e essa oferta de emprego só terá quando os peregrinos voltarem, e é isso que está acontecendo. Os hotéis estão voltando a contratar, os restaurantes. Espero que em breve a gente consiga melhorar esse índice”, respondeu ao Jornal Atos o prefeito de Aparecida, Luiz Carlos de Siqueira, o ‘Piriquito’ (Podemos).

Por Leandro Oliveira | Jornal Atos

Deixe um comentário