Câmara aprova criação do Conselho da Mulher em Roseira

Proposta é garantir apoio para auxiliar mulheres a conhecer seus direitos e combater a violência

Violência contra a mulher, que tem Conselho Municipal dos Direitos da Mulher para defender pautas sociais femininas (Foto: Arquivo Atos)

A Câmara de Roseira aprovou na última semana a criação do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, proposta encaminhada pela Prefeitura e que tem como objetivos principais a defesa de pautas de interesses sociais femininos, como o combate à violência doméstica, psicológica e física. Com a aprovação, o Município parte para a formação de um Conselho, que pode contar com representantes do Executivo, Legislativo e da sociedade.

A aprovação unânime colocou Roseira no grupo de cidades que criaram ferramentas para auxiliar as mulheres a conhecerem seus direitos e para combater todo tipo de violência, como as vizinhas Guaratinguetá, Lorena e Cruzeiro. Para a presidente da Câmara, Maria Cecília ‘Filha do Bispo’ (PSDB), o Conselho é essencial para garantir o apoio à fatia feminina da sociedade. “A gente entende que o Conselho vai auxiliar e amparar a mulher no enfrentamento das dificuldades, ou seja, entendemos que as mulheres sofrem violência doméstica, psicológica, física. Sabemos que existe um leque que envolve a violência e temos essa certeza que o conselho vai trabalhar para que essa violência não exista, seja extinta”, exaltou.

Com a criação, a vereadora entende que possa haver um fortalecimento na criação de políticas públicas municipais específicas para as mulheres, assim como a inclusão de Roseira em programas sociais em níveis estadual e federal.

Hoje, o Município tem duas vereadoras, dos nove parlamentares eleitos. Para a presidente da Casa, é necessário que a mulher participe da política para ter voz na construção de programas e projetos de interesse coletivo feminino. “Vejo e defendo a presença da mulher em todos os aspectos e setores, inclusive no que diz respeito no trabalho político. Lugar da mulher é onde ela quer e eu entendo e defendo essa frase. A presença da mulher na política é a oportunidade de ela ter voz ativa e ser protagonista também nas decisões das políticas públicas”, concluiu.

Aprovado em plenário, o projeto de lei retorna para a Prefeitura de Roseira e deve ser sancionado nos próximos dias. Após a sanção, uma reunião inicial deve ser marcada para convocar candidatas a fazerem parte do Conselho.

Preocupante – Um levantamento do Instituto Sou da Paz apontou que o número de ocorrências de agressões e homicídios contra as mulheres cresceram no estado de São Paulo durante os primeiros seis meses de 2021.

O estudo fez uma comparação com o mesmo de período do ano passado, destacando que, de janeiro a junho de 2020, foram 196 homicídios e feminicídios (crime motivado pelo simples fato da vítima ser mulher) contra 201 neste ano, uma alta de 2,6%. O mesmo estudo indica uma alta de 5,4% no número de agressões, que subiu de 24.069 para 25.366.

Entre os serviços disponíveis para tentar inibir ações criminosas contra mulheres, o Estado disponibiliza o serviço online por meio do site www.sosmulher.sp.gov.br.

Por Leandro Oliveira | Jornal Atos

Deixe um comentário