Plano de retomada econômica de Cruzeiro projeta shopping, ligação viária e incentivo à indústria e comercio

Obras de infraestrutura e geração de emprego são as estratégias de Thales Gabriel para alavancar o desenvolvimento no pós pandemia; cidade registra geração de empregos

Espaço destinado ao futuro shopping da cidade de Cruzeiro, que realiza planejamento pós-pandemia (Foto: Rafaela Lourenço)

Uma das cidades com planejamento mais encaminhado na recuperação econômica para o pós-pandemia, Cruzeiro tem garantido saldo positivo nos dados de geração de emprego, o que tem elevado as expectativas, paralela ao avanço das obras de infraestrutura e as tratativas pela instalação de um shopping no município.

Com essas medidas, a cidade projeta a criação de mais postos de trabalho. No primeiro semestre de 2021, Cruzeiro abriu 907 vagas, se destacando entre as cinco cidades do Vale do Paraíba com melhor desempenho neste indicativo, de acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Segundo o prefeito Thales Gabriel Fonseca (PSD), há um planejamento estratégico para o comércio, setor mais afetado pela crise gerada pela Covid-19, que envolve o Banco Paulista e o Desenvolve SP. A proposta é apoiar os comerciantes por meio de linhas de financiamento. O segmento também pode ter os dados alavancados com o possível anúncio de um shopping até o início do próximo ano.

Por outro lado, a Indústria apresentou desempenho positivo. O plano de retomada econômica do Executivo inclui o fortalecimento e ampliação de vagas em empresas já instaladas no município, de acordo com o prefeito. “Duas indústrias já apresentaram seu plano de crescimento, aumento de geração de emprego e de novos produtos que lançarão”.

O prefeito foi à Câmara apresentar os planos aos vereadores em busca de apoio e ideias do Legislativo para a definição do anteprojeto. A Prefeitura estuda uma proposta que deve encaminhar à Câmara para a nova legislação de incentivo, contemplando a isenção tributária das empresas que se instalarem na cidade, a possibilidade de concessões de áreas e as formatações de contrapartida. A expectativa é tornar Cruzeiro mais atrativa para as empresas que já atuam e as que pretendem iniciar atividades.

Há também projetos para obras de infraestrutura para o acesso à cidade, visando, principalmente, melhorias na mobilidade urbana próximo às indústrias e nas vias de maior movimentação. Duas dessas alterações já foram aprovadas. “É geração de emprego direto também. Mão de obra, recurso de tributo, contratação de empresa, geração de renda nova para a cidade e, consequentemente, entrega a obra que muda a característica da cidade, muda a mobilidade” frisou Fonseca.

Shopping – A área que pode receber o empreendimento é federal, a antiga sede da Agef. A Prefeitura tenta a cessão do prédio pela União. O local é tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) que, de acordo com o prefeito, já se declarou favorável ao processo de cessão onerosa.

As tratativas são realizadas com a SPU (Superintendência do Patrimônio da União), proprietária do imóvel. Após a conclusão do processo, a Prefeitura realiza um chamamento público para as empresas interessadas. O terreno tem área de quarenta mil metros quadrados, enquanto a área construída tem 14 mil metros quadrados. O anúncio da empresa vencedora deve ser feito até o início de 2022.

Infraestrutura – Já foi aprovada a pavimentação da avenida Mário Covas, que vai ligar a entrada da cidade ao Hospital Regional. Também se planeja uma modificação na Rua 1 (rua Rodrigues Alves), trecho próximo à empresa Maxion. Para melhorar o fluxo de veículos, os motoristas serão encaminhados à Vila Batista. As obras giram em torno de R$ 20 milhões a R$ 30 milhões, custeadas com recursos próprios da Prefeitura, do DER (Departamento de Estradas de Rodagem) e financiamento pelo Desenvolve SP (programa de apoio a investimento do Estado).

Outra obra aprovada pelo DER é a instalação de um dispositivo de acesso na SP-052, que liga a estrada ao Distrito Industrial 2. O investimento previsto em cerca de R$ 5 milhões e tem como objetivo melhorar a mobilidade e projetar a criação do Distrito Industrial 3. As obras devem ter início em 2022.

Por Gabriel Mota | Jornal Atos

Deixe um comentário