Padrasto de Maria Clara, bebê decapitada em Pindamonhangaba vai a júri popular

O crime aconteceu em outubro de 2020 e começou com uma investigação de rapto de bebê na região central da cidade. Após a investigação, o padrasto confessou ter decapitado a criança e abandonado o corpo.

Maria Clara de um ano foi morta pelo padrasto — Foto: Arquivo Pessoal
 Foto: Arquivo Pessoal

O padrasto da bebê Maria Clara, morta decapitada em Pindamonhangaba em outubro de 2020, vai a júri popular nesta terça-feira (10). O crime, que começou com a investigação de um desaparecimento de bebê na região central, comoveu a cidade.

O júri de Diogo da Silva Leite teve inicio às 9h10. Ele está preso desde o caso e responde por homicídio triplamente qualificado: de maneira que impossibilitou a defesa da vítima, ainda bebê; com uso de meio cruel e feminicídio.

Além disso, ele ainda responde por ocultação de cadáver e falsa comunicação de crime.

O crime

Diogo saiu com a afilhada de um ano no dia 13 de outubro para um passeio e na volta contou à companheira que a menina havia sido raptada. A polícia chegou a ser acionada, mas desconfiou da versão do homem que levou cerca de seis horas para comunicar o desaparecimento às autoridades.

A polícia conseguiu as imagens de câmeras de segurança do local onde o suposto rapto teria acontecido e contestou a versão do padrasto, que confessou o crime. À polícia ele contou que matou a criança decapitada com um facão e abandonou o corpo às margens de uma estrada em Quiririm, em Taubaté.

O caso chocou a cidade e comoveu moradores que, após o encontro do corpo, incendiaram a casa em que o homem vivia com a mãe da bebê. À época, a jovem estava grávida e teve de deixar a cidade por medo de represálias. O pai de Maria Clara tem mais dois filhos com a mãe da bebê, que ficaram com ele.

O velório da criança foi marcado pela comoção, com público até mesmo fora do cemitério da cidade.

Versão do réu

De acordo com o advogado de defesa de Diogo, Hélio Barbosa, ele confessou o crime e se responsabiliza pela pena. Apesar disso, pretende provar em júri que não foi ele quem planejou a morte e que teve ajuda de terceiros. Disse ainda que não houve ocultação de cadáver ou falsa comunicação de crime e que a versão criada à época pelo réu foi para se defender, “tendo em vista que a lei não exige que a pessoa produza provas contra si mesmo”.

Deixe um comentário